Sem categoria

Temperatura cai e até no sertão agricultor pensa que sonha e foi transportado para o Alaska


Rio Grande do Sul registra queda de neve granular em quatro cidades nesta segunda-feira

Canela, Gramado e Caxias do Sul, na serra gaúcha, e Palmeira das Missões, na Região Noroeste do estado, registraram o fenômeno. Frio chegou com intensidade ao estado e temperatura deve cair ainda mais ao longo do dia.


P

Temperatura em Porto Alegre cai de 28 para 8 graus e cidades do interior teve neve granular e chuva congelada

Quatro cidades gaúchas tiveram queda de neve granular nesta segunda-feira (17), segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Canela, Gramado e Caxias do Sul, na serra gaúcha, e Palmeira das Missões, na Região Noroeste do estado, registraram o fenômeno.

Moradores de Pinheiro Machado, na Campanha, também presenciaram o fato ainda na noite de domingo (16). Neve granular são pequenos cristais de gelo.

Além dessas quatro cidades, o Inmet informou ainda a ocorrência de chuva congelada em Soledade, Caseiros, São Francisco de Paula, Teutônia, São Marcos, Crissiumal, Passo Fundo e Nova Prata.

Passo Fundo teve chuva congelada nesta segunda-feira (17) (Foto: Reprodução/RBS TV)Passo Fundo teve chuva congelada nesta segunda-feira (17) (Foto: Reprodução/RBS TV)

Passo Fundo teve chuva congelada nesta segunda-feira (17) (Foto: Reprodução/RBS TV)

frio chegou com intensidade ao Rio Grande do Sul, por causa de uma forte massa de ar polar vinda da Argentina. São José dos Ausentes, nos Campos de Cima da Serra, teve a menor marca do estado. O amanhecer foi congelante e a temperatura foi caindo ainda mais ao longo da manhã.

Por volta das 5h, fazia 3,4°C, com sensação térmica de -3°C. Perto das 9h, a temperatura era de 0,8°C, a menor do estado. E a sensação térmica continuava negativa: -7°C.

Ao todo, 15 cidades tiveram sensação térmica negativa, conforme o levantamento do Inmet. Em Porto Alegre, a mínima foi de 7,5ºC.

Ao longo do dia, a previsão é que as temperaturas caem ainda mais, principalmente na Serra. As temperaturas ficam baixas na parte da tarde e a sensação de frio aumenta muito entre noite e madrugada do dia seguinte.

Na terça (18), não há mais chance de neve porque a umidade diminui, mas pode haver chuva congelada na serra gaúcha e formação de geada na Fronteira Oeste e Campanha.

Além do interior, pode gear até mesmo na capital. Mesmo com o sol predominando no decorrer da tarde, as máximas não se elevam muito, e a sensação de frio se mantém, com temperaturas entre 2°C e 12°C em Porto Alegre.

Chuva congelada e neve granular

Segundo o Inmet, há uma diferença entre os fenômenos. A chuva congelada ou congelante ocorre quando a chuva cai de forma líquida, e atinge o ponto de congelamento ao entrar em contato com a superfície.

No caso da neve, a precipitação ocorre na forma de flocos formados de cristais de gelo – ou seja, a água precipita já em estado sólido. Esses cristais de gelo geralmente se formam em nuvens onde as temperaturas são menores que -20°C, mas só chegarão em forma de neve se a coluna de ar vertical estiver totalmente fria, ao contrário da chuva congelada onde o meio da coluna de ar pode apresentar uma temperatura mais alta.

Também existem neves tipo úmida e seca. O primeiro caso é caracterizado por grandes flocos que se formam com temperaturas do ar em superfície próximas de zero e no segundo caso a neve ocorre quando os termômetros estão apresentando valores muito abaixo de zero.

Há casos em que a chuva congelada e a neve, que neste caso é granular, ocorrem ao mesmo tempo. A neve granular são grãos de gelo ligeiramente achatados ou alongados, com diâmetro geralmente inferior a 1 mm. Porém, elas não se despedaçam quando caem em uma superfície.

Frio muda hábitos dos moradores do Sertão do Araripe, em Pernambuco

A região, que costuma ter temperaturas entre 30ºC e 40º C, passou a conviver com o clima de até 17º C. Os casacos saíram dos guarda-roupas e viravam peças obrigatórias no dia a dia do sertanejo


Por G1 Petrolina *

 

O frio tem mudado os hábitos dos moradores do Sertão do Araripe, em Pernambuco. Acostumados com temperaturas que, normalmente, chegam perto dos 40º C, eles estão tendo que conviver com outra realidade. Neste inverno, diferente de anos anteriores, os termômetros na região estão registrando, com frequência, temperaturas de até 17º C.

Frio muda paisagem do sertão de Pernambuco

Frio muda paisagem do sertão de Pernambuco

“Principalmente esse ano de 2017 é um frio que há muitos anos não se via. E esse ano o frio chegou com vontade. Nós moramos em uma região quente, que é o Sertão de Pernambuco, e quando o frio chega nem todo mundo está preparado para conviver com ele. Faz muitos anos que não faz um frio assim”, conta o agricultor Antonio Viana.

A mudança brusca no clima foi suficiente para que o sertanejo passasse a utilizar algumas peças que estavam esquecidas dentro do guarda-roupas. “Faz tempo que eu comprei eles. Essa blusa mesmo eu não usava todo dia não. Agora tem que vestir todo dia para passar metade do frio”, diz o agricultor Lourival Manoel do Nascimento, referindo-se ao casaco e ao cachecol que viraram companheiros inseparáveis nesses dias frios.

Seu Lourival não abre mão do casaco e do cachecol nos dias frios no Sertão (Foto: Reprodução / TV Grande Rio)Seu Lourival não abre mão do casaco e do cachecol nos dias frios no Sertão (Foto: Reprodução / TV Grande Rio)

Seu Lourival não abre mão do casaco e do cachecol nos dias frios no Sertão (Foto: Reprodução / TV Grande Rio)

Na cidade de Araripina, o frio veio acompanhado de fortes ventos. A ventania chegou a derrubar as paredes de uma igreja que estava em construção. Felizmente, ninguém se feriu. “[O vento] É forte, muito forte, de fazer medo”, afirma a agricultora Maria José Pereira de Melo.

Em cima da Chapada do Araripe, a velocidade do vento pode variar de 35 a 70 quilômetros por hora. Todo esse potencial chamou a atenção de uma companhia de energia renovável, que instalou na região um dos maiores complexos eólicos da América latina. São 156 torres, espelhadas por uma área que fica entre os estados de Pernambuco e Piauí.

O vento forte do Sertão do Araripe está sendo usando como fonte de energia (Foto: Reprodução / TV Grande Rio )O vento forte do Sertão do Araripe está sendo usando como fonte de energia (Foto: Reprodução / TV Grande Rio )

O vento forte do Sertão do Araripe está sendo usando como fonte de energia (Foto: Reprodução / TV Grande Rio )

“Nós temos aqui hoje um dos maiores complexos da América latina, com uma capacidade de geração de 358 megawatts, que transformaríamos em 358 mil quilowatts. Essa é uma energia que tem capacidade de abastecer de 400 a 500 mil residências pelo período de enquanto tivermos esse vento soprando e passando por todas as nossas torres”, explica Áldrin Borges, gerente de implantação do complexo eólico.

* Com informações de Paulo Ricardo Sobral , TV Grande Rio