Comida

Só para milionários: Quilo da picanha a R$ 244,90


Açougue gourmet tem picanha de R$ 244,90/kg; franquia parte de R$ 400 mil

Conheça o açougue gourmet que virou franquia6 fotos

1 / 6

Lucas Ribas está à frente da franquia de açougue gourmet Da Fazenda, de Ponta Grossa (PR); a primeira unidade foi aberta na cidade em julho de 2014, e a meta da empresa é fechar 2016 com 10 lojas no Paraná e em Santa Catarina, para depois expandir para outros Estados; clique nas fotos acima para ver mais Leia mais Divulgação

Tataraneto de pecuaristas de Ponta Grossa (PR), Lucas Ribas, 29, está modernizando os tradicionais negócios da família com uma franquia de açougue gourmet, o Da Fazenda.

A marca é voltada às classes AB e tem cortes especiais, como a picanha Wagyu (raça de boi de origem japonesa), que custa R$ 244,90 o quilo, e o bife de chorizo Wagyu, que sai por R$ 185,90 o quilo. O projeto é abrir 10 lojas no Paraná e em Santa Catarina em 2016. Depois, em 2017, São Paulo e Rio Grande do Sul.

A franquia tem investimento inicial a partir de R$ 400 mil (com custos de instalação, taxa de franquia e capital de giro). O faturamento médio mensal é de R$ 120 mil, com lucro de 8% a 15%, ou seja, de R$ 9.600 a R$ 18 mil. O retorno do investimento se dá entre 24 e 60 meses, segundo a empresa.

Degustação e aulas

Além dos cortes nobres, o diferencial da rede fica por conta de um espaço gourmet dedicado a degustações e cursos relacionados a gastronomia, segundo Ribas. “Esses eventos estão em alta por causa da onda gourmet causada por programas de TV como o Masterchef e são mais uma forma de rentabilizar o negócio”, afirma o empresário.

O preço médio dos cursos é R$ 200 por pessoa e inclui jantar de degustação. A loja ainda vende temperos e presentes, como cervejas, copos e kits de churrasco.

Carne não é da família

A primeira unidade foi aberta em Ponta Grossa em julho de 2014. O negócio virou franquia em dezembro de 2015. Apesar de a família possuir cabeças de gado, as carnes do açougue não vêm da fazenda própria, pois a produção é pequena, segundo Ribas.

“Um boi produz 250 quilos de carne, em média, mas apenas quatro quilos, no máximo, são picanha. Como trabalhamos com carnes mais nobres, o volume da fazenda não é suficiente”, afirma.

Picanha australiana

Ele diz que todos os fornecedores possuem o SIF (Selo de Inspeção Federal), que atesta as condições sanitárias dos frigoríficos. As carnes são vendidas frescas ou congeladas e os preços variam de R$ 29,90 o quilo (linguiça de pernil e coxão duro) a R$ 244,90 o quilo (picanha de Wagyu). O mais vendido, no entanto, é o bife de chorizo de origem nacional, que sai por R$ 48,90 o quilo.

Cerca de 10% dos produtos são importados, como a picanha australiana, que custa R$ 104,90 o quilo. Ribas diz que a tecnologia no setor possibilita que a carne nacional tenha tanta qualidade quanto as importadas e reconhecidas, como a de origem argentina.

“Não é tanto a origem ou a raça que influenciam na qualidade da carne, mas fatores como seleção genética, tipo de alimentação do gado, tempo de pastagem ou de confinamento e idade do abate”, afirma.

“Butcher expert”

As lojas da rede terão um “butcher expert” (açougueiro especialista, em inglês), que nada mais é do que um açougueiro treinado para cortes especiais, que orienta os clientes na escolha e no preparo da carne.

As carnes são divididas por linhas: dia a dia (como coxão duro e carne moída), tradicional (bife de chorizo, ancho e outros), butcher expert (como medalhão de mignon com bacon) e reserva premium black (Picanha Wagyu).

Açougue de bairro é concorrente

Para Diego Simioni, consultor especializado em franquias da Goakira, o negócio acerta ao ter o público-alvo bem definido e uma proposta de valor clara. “A oferta de produto e serviço juntos é uma tendência, pois cria um vínculo mais profundo com o cliente”, diz. No entanto, ele afirma que isso aumenta a complexidade da operação.

Outro desafio é que o mercado é pulverizado, e a empresa vai competir com supermercados e açougues de bairro. “São locais que não tem o público-alvo tão definido, mas onde o cliente já tem o hábito de comprar.”

Ele cita ainda a existência de um concorrente de peso no setor, a Swift – Mercado da Carne, que tem lojas em São Paulo e é do Grupo JBS, dono da Friboi.

Onde encontrar:

www.facebook.com/dafazendapontagrossa 

Ampliar

Veja franquias para tocar em casa a partir de R$ 3.60015 fotos

1 / 15

Ahoba Viagens (agência de turismo): investimento inicial para home based a partir de R$ 3.600 (apenas taxa de franquia; o capital de giro não foi informado); faturamento médio mensal de R$ 30 mil; lucro médio mensal de R$ 2.000; retorno do investimento a partir de 3 meses (dados fornecidos pela empresa) Leia mais Divulgação

CONSULTORES DÃO DICAS PARA ESCOLHER UMA FRANQUIA

  • compartilhe
    vídeos relacionados
    • 0:00
    • 2:41
    • 360p
      • 1080p
      • 720p
      • 360p

Leia mais em: http://zip.net/bcsKFf


Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.