Economia

Sebrae confia no serviço para alavancar desenvolvimento


Setor de serviços deve puxar crescimento da economia este ano

Estudo aponta o mercado de alimentação como um dos mais promissores em 2019 (Foto: UMC sebrae)

Um estudo elaborado pelo Sebrae mostra que o setor de serviços é a principal aposta para quem planeja investir na abertura do próprio negócio este ano. O Relatório “Negócios Promissores em 2019’ indica que o crescimento da economia, empurrado pela projeção de uma safra agrícola próxima ao seu recorde histórico e esperada retomada do mercado de trabalho, deve sustentar a trajetória de ligeira recuperação do rendimento dos trabalhadores.

Isso tende a favorecer as micro e pequenas empresas (MPE) voltadas à prestação de serviços pessoais, como cuidador de idosos, instalação e manutenção elétrica, entregas, transporte de passageiro, marketing direto e produção de conteúdo para internet, além dos negócios que atendem as necessidades básicas da população (alimentação, vestuário, calçados e construção).

“O crescimento no setor de serviços sinaliza uma recuperação dos níveis de renda e da criação de novos postos de trabalho.  Quando tem uma melhoria na condição econômica das pessoas, as pessoas voltam a consumir e isso se reflete no aumento da demanda por produtos e serviços”, analisa o superintendente do Sebrae em Sergipe, Paulo do Eirado.

Em 2018 o setor foi o principal responsável pela geração de novos empregos no país, com 398.603 postos de trabalho. Em Sergipe, foram abertos 1.024 novos empregos com carteira de trabalho assinada. Ele é também o segmento de maior peso na economia brasileira, respondendo sozinho por cerca de 70% do Produto Interno Bruto.

P

Um outro fator que deve beneficiar todos os tipos de pequenos negócios é a inflação estável, principalmente para aqueles empreendimentos que produzem itens da cesta básica, como alimentação, vestuário, artigos de limpeza e higiene pessoal. As micro e pequenas empresas que atuam nestes setores serão beneficiadas em função da melhora no mercado de trabalho, aumento do poder de compra dos salários e melhora do nível de investimento das empresas.

Expansão

Nas exportações, os mercados com maior potencial de expansão de negócios para as MPE continuam sendo os Estados Unidos e países do sul e do leste asiático, como a China, Índia, Indonésia e Tailândia. As micro e pequenas empresas que já exportam madeira serrada, mármores e granitos, pedras preciosas e semipreciosas, móveis, vestuário e calçados, tradicionais exportadores de micro e pequeno porte, serão as mais beneficiadas.

Por outro lado, a Argentina, um dos principais mercados importadores dos pequenos negócios brasileiros, deve apresentar retração da demanda, em 2019, por conta da recessão em curso naquele país. As MPE que exportam para esse mercado terão de buscar outras alternativas se quiserem compensar a queda da demanda dos argentinos.

A safra agrícola esperada para 2019, próxima ao recorde histórico de 238 milhões de toneladas de grãos (alcançado na safra 2016/2017), tende a beneficiar as MPE que ofertam serviços voltados para o setor agropecuário e as fornecedoras de insumos e implementos agrícolas, assim como o pequeno comércio varejista próximo aos principais polos de produção agrícola do país, já que se beneficiam com a injeção de renda do agronegócio nas economias locais.

Nova diretoria do Sebrae promete ampliar apoio aos pequenos negócios

Entidade buscará parcerias para criar ambiente mais favorável ao empreendedorismo (Foto: UMC Sebrae)

A Diretoria Executiva do Sebrae em Sergipe eleita para o quadriênio 2019-2022 já deu início às suas atividades prometendo ampliar ainda mais o apoio aos pequenos negócios no estado e firmar parcerias com o poder público e entidades empresariais buscando criar um ambiente favorável para a atuação dos empreendedores.

Escolhidos por unanimidade em dezembro do ano passado pelas quinze entidades que compõem o Conselho Deliberativo do órgão, Paulo do Eirado (superintendente), Emanoel Sobral (diretor Técnico) e Eduardo Prado Filho (diretor Administrativo Financeiro), acompanhados pelo presidente do Conselho, Marco Pinheiro, fizeram uma visita às instalações do Sebrae e apresentaram aos colaboradores algumas das novas diretrizes que deverão ser implementadas nos próximos quatro anos.

Segundo Paulo do Eirado, a instituição atuará fortemente na defesa da pequena empresa, não apenas na busca de novas oportunidades de negócios, mas sobretudo no estímulo ao empreendedorismo e na elaboração de políticas que facilitem a atuação dos empresários no mercado.

“Conhecemos bem as dificuldades que essas pessoas enfrentam, seja pela burocracia, elevada carga tributária ou falta de programas que as estimulem a realizar investimentos e criar empregos. Queremos ajudá-las a superar essas barreiras e dessa forma contribuir para o crescimento da nossa economia. Os pequenos negócios representam hoje mais de 98% do total de empresas do país e geram mais de 54% dos postos de trabalho, merecendo assim o apoio para continuar ocupando esse papel tão importante”.

Para alcançar esses objetivos, o novo superintendente promete estreitar ainda mais o relacionamento com instituições governamentais e entidades de classe, além de buscar uma aproximação ainda maior com os outros órgãos que compõem o Sistema S.

“ É claro que não conseguiremos fazer esse trabalho sozinhos. Pretendemos contar com apoio das prefeituras, do Governo do Estado, das entidades que representam a indústria, o comércio, o setor de serviços e a agricultura para viabilizarmos esse auxílio.  Hoje já temos bons exemplos de ações que estão sendo desenvolvidas por esses órgãos. O que estamos precisando é articular essas iniciativas para fomentar ainda mais o empreendedorismo em Sergipe”, ressalta Paulo do Eirado.

Fortalecimento

De acordo com o presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae, Marco Pinheiro, o papel de articulação da instituição será fundamental na construção de uma agenda positiva para os pequenos negócios.

“ Vivemos momentos de grandes dificuldades, com elevado índice de desemprego, aumento da informalidade e queda da renda familiar. Esse cenário só será revertido quando os empresários retomarem a confiança na economia e se sentirem seguros para realizar investimentos. Para que isso aconteça são necessárias várias medidas e o Sebrae pode ocupar um espaço fundamental nesse processo, já que possui respaldo e o conhecimento necessário para auxiliar os governos na elaboração de políticas públicas que fortaleçam o setor empresarial”.

O Sebrae

O Sebrae é uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos, que promove a competitividade e o desenvolvimento sustentável dos empreendimentos de micro e pequeno porte – aqueles com faturamento bruto anual de até R$ 4,8 milhões.

Sua atuação tem como focos o fortalecimento do empreendedorismo e na aceleração do processo de formalização da economia por meio de parcerias com os setores público e privado, programas de capacitação, acesso ao crédito e à inovação, estímulo ao associativismo, feiras e rodadas de negócios.

Sebrae tem programa que visa estimular inovação nos pequenos negócios

Proposta do programa é facilitar o acesso dos pequenos negócios aos serviços de inovação (foto: UMC Sebrae)

Durante muito tempo, o conceito de inovação tecnológica foi associado a processos complexos, com alto grau de investimento e acessível apenas a grandes empresas. Porém, nos últimos anos algumas soluções desenvolvidas pelo mercado têm facilitado a adoção de práticas inovadoras por empreendimentos de diferentes segmentos e portes, sobretudo os pequenos negócios.

Em Sergipe, um programa oferecido pelo Sebrae tem ajudado a melhorar a competitividade das micro e pequenas empresas por meio do acesso facilitado a serviços tecnológicos. Conhecida como Sebraetec, a iniciativa disponibiliza aos empreendedores todo o apoio necessário para a contratação de consultorias em sete áreas temáticas: design, produtividade, propriedade intelectual, qualidade, inovação, sustentabilidade e serviços digitais.

A proposta aqui é desmistificar conceitos e apresentar soluções viáveis e customizadas para aumentar a lucratividade dos negócios. Uma das principais vantagens é que 70% do investimento necessário para a aquisição dos serviços é subsidiado pelo Sebrae.

Entre as mais de 120 soluções disponíveis estão a elaboração de projetos para a mudança de fachada e layout do estabelecimento, criação de marcas e design de embalagens, até soluções mais complexas, como a elaboração de projetos para a implementação de ações de saúde e segurança do trabalho, certificações, acessibilidade aos espaços físicos, além do melhoramento genético de animais.

 

Podem ter acesso ao programa microempreendedores individuais, microempresas, empresas de pequeno porte que faturem até R$ 4,8 milhões, além de produtores rurais que possuam inscrição estadual de produtor, número do Imóvel Rural na Receita Federal (Nirf) ou declaração de aptidão (DAP) ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

Também são atendidos os pescadores com registro no Ministério da Agricultura e artesãos que estejam registrados no Sistema de Informações Cadastrais do Artesanato Brasileiro (Sicab) e tenham a Carteira Nacional do Artesão ou Carteira Nacional de Trabalhador Manual.

Mais informações podem ser obtidas no site www.se.sebrae.com.br e pelo telefone 0800-570-0800.

Fonte: Ascom Sebrae