Variedades

POR QUE O PCC NÃO VIRA UM PARTIDO?


Deputados voltam para a cadeia, depois da sessão da Câmara Federal, candidato na cadeia, condenado a quase 14 anos de prisão por roubo e com campanha no rádio e televisão, pleiteando uma vaga na Câmara Federal, o grande chefe da maior quadrilha de assalto aos cofres públicos, conforme denúncia da Lava Jato, candidato à presidente da República, fazendo pronunciamento em prol do seu boneco fantoche, Eduardo Cunha na cadeia, pedindo voto para eleger a sua filha deputada estadual no Rio de Janeiro. Enfim, este é o retrato do Brasil que desbandeirou e com as migalhas que o povo besta recebe sob o título Bolsa Família, vai se perpetuando.

Diante de tanta sacanagem com a população, não será surpresa se Marcola e Fernandinho Beira Mar não pedirem o registro do PCC como partido político, para as próximas eleições. Se isto acontecer vão eleger, de cara, os futuros prefeitos de São Paulo e Rio de Janeiro.

Grande parte da população votará nos candidatos apontados por eles. Não estou sonhando e nem delirando, apenas expondo o pensamento de algumas pessoas com quem converso sobre política. Elas estão indignadas com o que acontece no Brasil, onde os bandidos que roubaram bilhões do povão, posam no varal da hipocrisia em que se transformaram alguns poderes neste país e pousam de bons moços, salvadores da pátria. Pelo menos nós teremos certeza de que eles não deixaram que roubem, para que não atrapalhem seus bons negócios das drogas e o povo vai aplaudir. Afinal, este não é o Brasil que eu quero.

LOCAIS DE VOTAÇÃO

O Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe (TRE-SE) disponibiliza a relação dos locais de votação que sofreram alteração para as Eleições Gerais de 2018. Ao todo, 25 municípios apresentaram mudanças em um ou mais locais. Para verificar as mudanças, por Município, clique no link Consulta-Locais de Votação Alterados.

ARACAJU

Em Aracaju, 12 locais foram remanejados. A título de exemplo, as sessões 501,502,503,504,505,506,507 e 508, que funcionavam no Colégio Estadual Atheneu Sergipense, foram transferidas para o Colégio Arquidiocesano Sagrado Coração de Jesus.

BARRA

No município de Barra dos Coqueiros, a seção 402, anteriormente instalada na Escola Coelho Neto, funcionará na EMEI Francisco Domingos de Moura, localizada na praça dos esportes, bairro Atalaia Nova.

ESTÂNCIA

Já no município de Estância, duas seções eleitorais sofreram alterações. A seção 215, que funcionava na Escola José de Dome, e a seção 214, que tinha sede na Escola Luciola Ávila, foram ambas transferidas para a Escola Dr. Fernando Lopes, na zona rural.

TROCAS

Em geral, as trocas ocorrem em virtude de obras ou falta de condições de usabilidade nos prédios anteriormente definidos como locais de votação. Os eleitores devem ficar atentos às mudanças para verificar se sua seção eleitoral está entre as transferidas.

MUNICÍPIOS

Os municípios envolvidos são: Aracaju, Barra dos Coqueiros, Brejo Grande, Carira, Cumbe, Estância, Gararu, Ilha das Flores, Indiaroba, Itabaiana, Itabaianinha, Itabi, Itaporanga D’Ajuda, Japoatã, Lagarto, Moita Bonita, Nossa Senhora das Dores, Pacatuba, Salgado, Santa Rosa de Lima, Santo Amaro das Brotas, São Cristóvão, São Miguel do Aleixo, Tomar do Geru, Umbaúba.

DEDO DURO

O aplicativo Pardal registra 179 denúncias eleitorais em Sergipe. Desse número, 60% são referentes à propaganda eleitoral; 22% sobre crimes eleitorais; 17% relacionam o uso da “máquina” pública e outros assuntos e 1% relacionado a doações e gastos eleitorais.

NÚMERO GRANDE

Aracaju registra o maior número de denúncias pelo aplicativo: 80 imputações. Em segundo lugar, está o município de Tobias Barreto, com 33 denúncias. Os outros municípios sergipanos dos quais partiram o restante das denúncias são: Lagarto (11), Nossa Senhora do Socorro (7), Riachão do Dantas (5), Itabaiana (5), Propriá (4), Ribeirópolis (3) Itabaianinha (3), Frei Paulo (3), São Cristóvão (3), Japaratuba (3), Capela (3), Simão Dias (2), Malhador (2), Cristinápolis (2), Maruim (2), Santana do São Francisco (1), Pirambu (1), Nossa Senhora das Dores (1), Carira (1), Barra dos Coqueiros (1), Aquidabã (1), Santa Rosa de Lima (1) e Nossa Senhora de Lourdes (1).

COMO DEDURAR

Para realizar a denúncia, basta o cidadão preencher os campos obrigatórios (nome, CPF e outros dados pessoais), bem como fornecer detalhes e provas referentes ao fato denunciado: localização, nomes dos envolvidos, vídeos, fotos, áudios… Durante o preenchimento do formulário, o cidadão pode solicitar sigilo em relação à sua identidade.

 

COMPLICA

Caso o eleitor detecte alguma irregularidade em propagandas de candidatos nas redes sociais, por exemplo, é importante que coloque o URL (endereço do site ou do blog) da postagem junto à denúncia, e não o link da rede social.

DIA DA VOTAÇÃO

No dia do pleito, o eleitor pode denunciar pelo Pardal o candidato que estiver fazendo boca de urna. Nesse caso, o candidato (depois de eleito), poderá ter o mandato cassado, se comprovada a denúncia.

LOJAS VIRTUAIS

O app está disponível para download nas lojas virtuais Google Play e Apple Store e pode ser acessado em dispositivos móveis (smartphone e tablet). E pelo site do TRE-SE clicando no link do PARDAL.

TENTANDO

Os advogados Emanuel Cacho e Anna Cecília de Andrade Cacho continuam tentando libertar o ex-prefeito de Capela, Manoel Messias Sukita, que se encontra encarcerado no presídio de Nossa Senhora da Glória cumprindo pena em regime fechado. Ele foi condenado a 13 anos e nove meses de prisão, pena mantida pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), acusado por prática de corrupção eleitoral, desvio de verbas públicas e autorização de despesas não prevista em lei, crimes que teriam sido cometidos por Sukita e então assessores quando ele exerceu mandato de prefeito no município de Capela.

 

NEGADO

Um dos recursos, denominado habeas corpus, foi negado, em decisão monocrática, por um dos membros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), conforme informações do advogado Emanuel Cacho. Para rever esta decisão, a advogada Anna Cecília Cacho já se encontra em Brasília e ingressará com agravo de instrumento, pedindo para que o habeas corpus seja julgado pelo colegiado do TSE, segundo Emanuel Cacho.

NO STF

Paralelamente, a advogada ingressará com um outro habeas corpus junto ao Supremo Tribunal Federal (STF). O advogado Emanuel Cacho explica que a defesa contesta toda a decisão do TRE. Na ótica do advogado, não ocorreu o crime imputado a Sukita. E, em última instância, se ocorreu, conforme frisou, deve ser caracterizado como crime continuado, com pena mais branda que permitiria o direito a Sukita a manter-se em liberdade, aguardando o julgamento dos recursos judiciais interpostos pela defesa para modificar a sentença aplicada pelos membros do TRE de Sergipe.

REGULARIZADO

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deferiu o documento de regularidade partidária e, consequentemente, o registro de candidatura do Partido Social Liberal (PSL) em Sergipe. Com a decisão, todos os candidatos do PSL poderão concorrer normalmente no pleito eleitoral do domingo, 7 de outubro.

MONOCRÁTICO

A decisão foi tomada monocraticamente pelo ministro Admar Gonzaga, nesta terça-feira, 25, e pode ser revertida por agravo regimental. Mas na avaliação de Mário Vasconcelos, advogado do PSL, essa é uma possibilidade remota, porque foi tomada com base em entendimento dominante do TSE.

 

INABILITADO

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE/SE) havia inabilitado o partido por não ter atingido a cota mínima de gênero, que é de 30% para homens e mulheres, exigência prevista no art. 20, § 2º, da Resolução TSE n. 23.548/2017. “A situação foi regularizada posteriormente”, explicou Vasconcelos.

SUBSTITUTOS

O candidato a Governo é Eduardo Cassini e o candidato a vice é Éverton Rodrigues. A substituição a João Tarantella, então candidato a governador, e a Hélio Nunes, então candidato a vice, foi autorizada pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) há uma semana.

EXPLICANDO

 “O candidato é o Eduardo, de acordo com entendimento do TRE, que acatou substituição. É o nome que vai para as urnas. O partido tem autonomia, tem de fato o direito de escolher os candidatos. O indeferimento de Tarantella não foi só por causa do efetivo, mas também pelo fato não ter certidão de quitação eleitoral, por conta de prestação de contas de 2014. Como não tinha, não poderia ser candidato, que é um dos requisitos. A situação dele no TSE é objetiva”, disse o advogado.