Meio Ambiente

Multa para infrator no defeso do caranguejo chega até R$ 100 mil


Quem infringir o defeso do caranguejo

poderá pagar multa de até R$ 100 mil

 

Por Cláudio “Botafogo” Messias

 

Comercializar fora das especificações do Ibama é proibido

Caranguejo é o preferido para quem gosta de tomar uma pinga, cerveja ou apenas saborear. Nesta época do ano, ele está muito magro, porque é o período do acasalamento e a legislação protege o crustáceo, para evitar a sua extinção. O chamado período do defeso é fiscalizado e quem desobedecer pode pagar uma multa de até R$ 100 mil.

No defeso, a captura é proibida em todo o Nordeste. A popularmente denominada “andada” é o período de saída das tocas, para o acasalamento.

O comerciante que tiver o estoque de caranguejo tem que registrar tudo no Ibama. Até o dia cinco de abril, estaremos no defeso, com semanas intercaladas.

O superintendente do Ibama, em Sergipe, Manoel Resende, disse que a primeira semana do ano foi de fiscalização com orientação, agora é para valer e quem for infrator será punido.

Manoel diz que é preciso preservar, porque ele é importante para a economia, ajuda na sobrevivência de milhares de família e faz parte do cardápio dos sergipanos.

Explica que é a época de renascimento no mangue e respeitado o período teremos maior produção e melhor renda, com aumento da qualidade de vida em Sergipe.

A vendedora Maria Santana diz que não declarou seu estoque, porque ficou sabendo do defeso já em cima da hora e não podia fazer muita coisa.

O professor André Góis ficou assustado com o preço cobrado por uma corda com seis caranguejo: R$ 15,00.

Ele diz que pretendia comprar umas seis cordas, mas ao saber do preço, levou apenas duas, porque gosta do crustáceo.

Já o comerciário Aílton Ramos achou muito caro e tentou pechinchar, para levar algumas cordas e só conseguiu levar três.

Vários períodos de defeso vão acontecer até abril. Manoel Resende assegura que vai aplicar a legislação contra quem não atender a determinação. (CBM)

 

 

 

Fumacê combaterá mosquito no Estado

transmissor da dengue, que pode matar

 

Por Cláudio “Botafogo” Messias

 

Preocupado com a dengue, que pode até matar, Estado e município de Aracaju intensificam as ações de combate ao mosquito transmissor da doença, o Aedes Aegypti. Em 2013, Sergipe conseguiu reduzir os casos, se comparado com 2012 e a meta é diminuir, mas para isso é importante que a população contribua e o risco aumenta, agora, com o Pré-Caju e férias.

No verão, o mosquito se multiplica mais rápido, em apenas sete dias. Nas outras estações são 30 dias, para ficar adulto. O ovo pode eclodir com até 18 meses.

A transmissão é mais rápida no verão e todo cuidado é pouco. Não se deve deixar baldes e outros vasilhames, mesmo que vazios, porque se chover, pode ter o acúmulo de água e vai ter o mosquito adulto transmitindo a doença.

O Ministério da Saúde previa registrar treze 11.754 casos em 2013 e foram registrados apenas 1010, o que significa 91% de redução.

O carro fumacê vai atuar, principalmente na orla de Atalaia, por conta da chegada de turistas, para o Pré-Caju.

Se chover, vá ao quintal ou qualquer local, elimine qualquer objeto com acúmulo de água e esfregue bastante os ralos externos, para eliminação dos ovos. (CBM)


Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.