Saúde

Moradores do Santa Maria recebem Mutirão contra o Aedes aegypti


clique para ampliar
clique para ampliar
clique para ampliar
clique para ampliar

Depois de uma semana intensa de trabalho, através da campanha “Aracaju Unida contra o Aedes aegypti”, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e seus Agentes de Endemias e Comunitários, além dos Soldados do Exército Militar Brasileiro, passaram a manhã desta sábado, 23, no bairro Santa Maria realizando mais um grande Mutirão contra o mosquito. Percorrendo ruas, avenidas e terrenos baldios, cerca de 100 profissionais visitaram aproximadamente mil endereços. A ação teve o objetivo de identificar e eliminar possíveis focos do Aedes aegypti, alertando os cidadãos sobre os cuidados necessários para evitar os riscos de doenças transmitidas pelo inseto (Dengue, Zika Vírus e Febre Chikungunya).

“No último Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa), o bairro Santa Maria apontou médio risco, então temos que manter sempre a preocupação com esta área. As pessoas ainda armazenam água parada em reservatórios, tipo tanques e tonéis, e isso é perigoso, pois o mosquito em sete dias já nasce e fica pronto para picar. É um ciclo de vida rápido, então temos que eliminar os focos e conversar com a população sobre esse perigo”, disse a supervisora de área, Daniela de Oliveira.

Assim que os profissionais da SMS chegaram ao quintal da comerciante Edna da Cruz já encontraram focos do mosquito. Na lavanderia e em vasilhames esquecidos no quintal era notável a presença de muitas larvas do Aedes aegypti. Após ser alertada dos perigos, ela enfatizou que pretende mudar a situação. “Moro com meu filho e passo o dia fora, quase nunca vou no quintal, mas agora farei uma faxina grande e jogarei tudo que não serve, não deixarei mais vasilhames abandonados pela casa, nem manterei a lavanderia com água parada. Vou fazer a catagem de tudo (sic)”, disse.

Na casa de Alex de Oliveira, o mosquito não tem vez. Ele contou que sempre monitora tanto a própria residência quanto os terrenos vizinhos. “Minha esposa está grávida de seis meses, então não podemos vacilar. Aqui em casa tudo está seco, sem reserva de água. Já limpei um terreno baldio vizinho a minha casa e também já comuniquei ao proprietário de outra casa vizinha (vazia), que o quintal da mesma está sujo e a lavanderia com água. Pedi para limpar e fazer a parte dele. Sempre tive essa consciência de proteção contra o mosquito, pois só assim vamos ficar seguros”, ressaltou.

Já na casa de Maria Vânia dos Santos, a prioridade é a limpeza da caixa coletora de água que fica atrás da geladeira. “Não temos reservas de água, nossa caixa está tampada e nossa única preocupação é a caixinha coletora que fica no fundo da geladeira, porém, depois das explicações da agente de Endemias da região eu sempre limpo esse reservatório e elimino o líquido, também uso água sanitária para manter o local protegido”, pontuou.

Segundo a coordenadora do Programa Municipal de Controle Dengue, Zika Vírus e Febre Chikungunya, Taíse Cavalcante, a campanha “Aracaju Unida contra o Aedes aegypti” deu um novo gás aos aracajuanos, porém, os trabalhos nos bairros, através das Forças Tarefas, e nos finais de semana, com os Mutirões, devem permanecer sendo realizados normalmente. “Não podemos parar, a Campanha foi um bônus para tudo que já estamos realizando em Aracaju, mas nosso objetivo é que a população se empenhe cada vez mais nessa luta e entre no combate ao mosquito como forma de endossar nossas ações. Não adianta nada o a gente visitar se em seguida a pessoas permanecer agindo de forma displicente. Precisamos é de mais atitude dos aracajuanos para que o Aedes aegypti não se multiplique neste verão (período propício para a proliferação do mosquito)”, enfatizou.

 


Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.