Sindicatos

Médicos fazem ato na Câmara de Vereadores por reajuste salarial


Os médicos de Aracaju promoveram mais um ato para reivindicar reajuste salarial para a categoria. Na manhã desta terça-feira, 7, os profissionais da saúde se concentraram na frente da Câmara de Vereadores de Aracaju para pedir que os parlamentares façam um intermédio, junto ao poder executivo, para que o direito volte a ser concedido.

Os médicos estão em greve desde o dia 20 de julho, e a paralisação completa 17 dias. São dois anos sem reajuste. O último aconteceu na gestão do prefeito João Alves Filho, em julho de 2016.

Neste momento, a situação tramita na justiça. A Prefeitura de Aracaju pediu a ilegalidade da greve, mas o poder judiciário sugeriu uma conciliação. A gestão municipal tem um prazo de 48h para dizer se aceita ou não um acordo com a classe.

“São 25 meses sem reajuste, são dois anos que a receita do trabalhador não aumenta. As despesas, porém, crescem. É inadmissível que o prefeito, mesmo com dinheiro e o comprometimento da folha, ele opte por não priorizar parte dos recursos para beneficiar seus servidores. Não tem como aceitar”, reclamou João Augusto Alves, presidente do Sindicato dos Médicos de Sergipe (Sindimed).

Com a greve, ficam comprometidos de 40% a 60% do efetivo, sendo aproximadamente 150 profissionais paralisados ao dia na rede básica. Em urgências e emergências, 100% do pessoal foi mantido.

SMS

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informa que já se reuniu diversas vezes com o Sindimed este ano para conversar sobre a situação financeira de Aracaju, e que durante todos os encontros foram apresentadas planilhas de gastos com regularização de pagamentos e dívidas com os servidores deixadas pela administração passada.

Apenas na Saúde, essas regularizações têm gerado um impacto financeiro, que somados a outros gastos, atingem um déficit mensal de R$ 5 milhões, o que inviabiliza reajustes neste momento para as categorias que compõem o SUS de Aracaju.

Mesmo assim, Prefeitura tem honrado com o pagamento dos salários em dia, sendo julho o quinto mês consecutivo em que os depósitos são realizados antes da data prevista.

Sobre a greve, a SMS informa está aguardando a notificação oficial da justiça para poder se posicionar.