Aposentados

Líder dos idosos diz que Dilma é perversa e massacra os velhinhos


 

Por Cláudio “Botafogo” Messias

Secretário de Estado de Turismo de Sergipe, Elber Batalha, ouve reivindicações de João Valmir

Aposentados falam de seus problemas e demandas com Elber Batalha

Massacrados e maltratados pelos governantes, os aposentados e pensionistas têm que reagir este ano, por conta das eleições, dando o troco aqueles que nunca olham para os idosos como pessoas valiosas, mas sim como objetos, que podem ser utilizados a cada eleição.

João Valmir de Souza, liderança de aposentados e pensionistas de Sergipe, diz que chegou 2014, mais um ano de lutas que iremos travar contra nossos opressores, principalmente a nossa presidente Dilma que comanda a política econômica perversa, que está massacrando os trabalhadores aposentados

De acordo com João Valmir de Souza, mais de cinco milhões de aposentados e pensionistas que recebiam acima de um salário mínimo hoje estão recebendo apenas um salário.

Indignado ele conclama os trabalhadores, em atividade, que serão o sofredores de amanhã, para uma mobilização nacional, exigindo respeito aos direitos e, sobretudo, a terceira idade.

Temos, nós trabalhadores, aposentados e pensionistas de termos união, nos mobilizando, mostrando nossa força, diz.

Chegou a hora de exigirmos respeito e dignidade para com quem tanto trabalhou para ver seu país hoje forte, competindo com nações poderosas, sustenta João Valmir.

Não podemos permitir sermos descartados. Se cada um de nós mobilizarmos nossas famílias e amigos no engajamento em favor de nossas lutas por justiça, sairemos vitoriosos, garante.

Neste sentido, faço  um apelo a todos para que pressionemos os parlamentares das três esferas municipais, estaduais e federais pela aprovação de nossos projetos que estão engavetados na Câmara dos Deputados, defende.

Segundo João Valmir, 2014 é um ano eleitoral e todos eles irão querer votos para permanecer no poder.

Será que com nossa mobilização o massacre aos nossos aposentados e pensionistas vai continuar? Indaga João Valmir.

Pensionistas e aposentados vamos acordar e participar ativamente dos movimentos populares promovidos por suas entidades de bases. Exija de seu vereador, de seu deputado estadual, de seu deputado federal e de seu senador ou senadora que reveja as injustiças que praticam conosco não aprovando nossos projetos, conclama o dirigente dos aposentados e pensionistas, presidente da Faapise, João Valmir de Souza.

De acordo com ele, chega de promessas. Procurem em seus municípios, estados os escritórios dos mesmos, façam vigília diuturnamente, em seus gabinetes, pedidos através de cartas ou e-mail, sugere João Valmir.

Enfatiza que se houver uma mobilização nacional, mostrando para Dilma Rousseff e seus aliados que os aposentados e pensionistas podem mudar os rumos políticos deste país, muita coisa mudará antes da escolha dos candidatos para as eleições quase que totalmente majoritárias, quando os brasileiros vão escolher os deputados estaduais e federais, senadores, governadores e o presidente da República.

 

Pessoas idosas que ficam muito tempo

vendo TV perdem a força muscular

 

Estudo feito pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em associação com o Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul (Celafiscs), na Grande São Paulo, mostra que idosos que levam muito tempo vendo TV sofrem perda de força muscular.

Efetuado em estabelecimentos de longa permanência em São Caetano por um ano e seis meses, a pesquisa teve a cooperação de 159 idosos (60 homens e 99 mulheres), com idade média de 74,2 anos, de acordo com a Secretaria de Estado da Saúde.

Para realizar a pesquisa, por sete dias, os idosos utilizaram um pedômetro (instrumento com que se contam os passos), tirado só no momento do banho e durante o sono, e responderam a uma série de questões para apurar quanto tempo ficavam em frente à televisão.

Em uma semana de análise, a média de passos dados por eles foi de 9.957, enquanto o tempo médio em que assistiam à TV foi de 432,9 minutos, aproximadamente sete horas por dia.

A confrontação entre o período em frente ao aparelho e a força nos membros inferiores causou queda da capacidade muscular em 26%.

 

Profissionais com mais de 60 anos no

mercado são 27% da população ativa

 

Cerca de 27% dos idosos brasileiros trabalhavam em 2012.  Os dados são da Síntese de Indicadores Sociais 2013 divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O tempo médio semanal dedicado ao trabalho foi 34,7 horas. O IBGE considera idoso pessoas com 60 anos ou mais de idade.

O jornalista aposentado Luis Artur Toribio, 63 anos, recebe benefício da previdência social há dois anos, mas continua trabalhando como freelancer para empresas de publicidade do Rio de Janeiro.  Ele está entre os 15,3% dos idosos identificados na pesquisa que trabalham e são aposentados.

A grande maioria (76,3%) dos idosos recebia benefício da previdência social. A principal fonte do rendimento de idosos de 60 anos ou mais de idade foi aposentadoria ou pensão (66,2%) sendo que, para o grupo de 65 anos ou mais de idade, a participação desta fonte de rendimento é 74,7%. Cerca de 23,7% dos idosos não recebiam aposentadoria ou pensão, enquanto 7,8% acumulavam aposentadoria e pensão.

Ainda segundo o estudo, 15% das pessoas com 65 anos ou mais de idade não recebiam aposentadoria ou pensão e 19,4% estavam ocupados, sendo que do total 29,6% eram homens (29,6%) e 11,6%, mulheres.

A participação relativa do idoso era 12,6% da população total no ano passado. A maioria do grupo era feminina (55,7%) e branca (54,5%) e vivia em áreas urbanas (84,3%). A média do grupo era 4,6 anos de estudo.

O IBGE informou também que a maioria dos idosos (64,2%) era a pessoa de referência no domicílio e 47,8% tinham rendimento de todas  as  fontes superior a um salário mínimo. Cerca de 43,5% residiam em domicílios com rendimento mensal per capita igual ou inferior a um salário mínimo.


Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.