Geral

Comunidade do Fernando Collor vive clima de guerra e refém dos bandidos


Casos recentes de violência são citados por comunidade
Crianças tomam linha de frente da passeata (Fotos: Grupo Aliança Solidária) 

Com um histórico recente de casos de violência, os moradores do conjunto Fernando Collor, em Nossa Senhora do Socorro, partiram em ‘Caminhada pela Paz’ no final da tarde deste sábado, 29. O movimento organizado pelo grupo filantrópico Aliança Solidária, formado por jovens de Aracaju e Nossa Senhora do Socorro, convocou toda comunidade para trajar branco e protestar pelas ruas do conjunto, incluindo locais que foram cenários de violência nos últimos dias. A I Passeata pela Paz reuniu crianças, idosos e adultos.

A coordenadora do grupo lembra dos casos recentes que assustaram a comunidade e pede atenção das forças de segurança para a crescente onda de violência. “A semana começou com a morte de um rapaz vítima de um roubo e termina com duas crianças feridas após um tiroteio aqui no conjunto. São casos que se repetem todos os dias e a gente precisa se mobilizar. É uma caminhada para alertar a sociedade e cobrar da Secretaria de Segurança Pública”, enfatiza Jéssica Menezes.

O caso das duas crianças citado por Jéssica ocorreu na noite da quinta-feira, 27, durante uma tentativa de homicídio. Segundo o policiamento local, as crianças foram atingidas por balas perdidas. As vítimas eram um menino de 9 anos, baleado de raspão no ombro e liberado do Hospital de Urgência de Sergipe (Huse) na manhã seguinte, e uma menina de 11 anos, atingida no abdômen. Ela passou por cirurgia e permaneceu em quadro estável.

Moradores se unem pedindo mais segurança

A caminhada deste sábado passou pelo local onde houve o tiroteio. “Os últimos seis dias foram de extrema violência. É um absurdo termos que passar por isso”, desabafa Jéssica. Após a caminhada, o grupo social Aliança Solidária esperar unir a comunidade para cobrar da Segurança Pública medidas de segurança mais eficazes para conjunto.

O comandante do policiamento militar da capital, tenente-coronel Vivaldy Cabral explicou que a polícia tem atuado de forma intensa no local. Os casos citados estão sendo investigados pela Polícia Civil.