Nacional

Bolsonaro já pediu dinheiro dos impostos do povo para financiar milícias no Rio de Janeiro


Todos nordestinos são desonestos, disse Bolsonaro. Sabe que ele tem razão, posto que não estamos nos dando ao respeito, uma vez que não há indignação contra este fascista, que já pediu ao Governo Federal dinheiro para financiar a milícia no Rio de Janeiro. E fica uma pergunta: será que agora, como presidente da República, ele faz o que pediu ao Governo quando deputado federal?
A milícia hoje domina 60% do Rio de Janeiro, com investimentos na internet, imóveis, vendas de gás, transporte de passageiros, tv à cabo, segurança e outras atividades e financiamento de políticos.
Também está associada aos grandes traficantes de drogas. Está difícil combater o estado paralelo.
No Rio de Janeiro, o Ministério Público já disse que o senador Flávio Bolsonaro, Republicanos, filho do presidente Jair Bolsonaro, é chefe de uma organização criminosa.
No Rio, se sabe das ligações de Flávio com milicianos, principalmente os chefões das maiores facções.
Quando deputado estadual, Flávio chegou a homenagear milicianos, inclusive alguns cumprindo pena no presídio, outorgando a Medalha Tiradentes, a mais alta honraria da Assembleia Legislativa do Rio Janeiro.
Algumas honrarias foi a mando do pai, então deputado federal Jair Bolsonaro.
Fabrício Queiroz tem estreitas ligações com amigos bandidos e milicianos, talvez menos perigosos do que ele, mas também são matadores.
Se tivéssemos seriedade em toda cadeia da justiça e polícia, quem sabe os filhos de Bolsonaro não estivessem na cadeia e ele respondendo processos.
Os três filhos de Bolsonaro, vereador Carlos Bolsonaro (RJ), deputado federal Eduardo Bolsonaro e o senador Flávio Bolsonaro têm estreitas ligações com milicianos, conforme já ficou provado nas investigações da polícia.
Flávio, segundo dizem, financia grupos de milicianos no Rio de Janeiros, cujos governadores roubaram o dinheiro do povo e alguns foram para a cadeia.
Wilson Witzel era unha e carne de Bolsonaro, mas quis ser presidente e foi arrebentado pela Polícia Federal, por querer enfrentar o poderoso chefão.
Bolsonaro e alguns dos seus ministros estão envolvidos em falcatruas, a exemplo do Marcelo do Turismo e Salles do Meio Ambiente.
Onix recebeu dinheiro de propina e na cara-de-pau admite, mas disse que devolveu uma parte da grana. Bolsonaro recebeu R$ 200 mil de propina, durante campanha, mas jura que devolveu ao partido e recebeu outros R$ 200 mil. Será que este foi lavado?
Por Cláudio Botafogo Messias